Home » Media » Atividade Dirigida: “No Caminho do Bem – A Morte” (Ep. 4)

10 Responses so far.

  1. EDUARDO ARAÚJO SANTANA NUNES disse:

    Em minha prática profissional ouço sempre se dizer que alguém à beira da morte fora desenganado pelos médicos. Essa aparente declaração despretensiosa traz um grande desafio filosófico! Pois, se a morte é um desengano o que seria a vida? Um engano? Diante da morte ou de sua possibilidade tangível nós respondemos de formas variadas. A psiquiatra Elizabeth Kübler-Ross (1996) identificou cinco estágios em seu livro: Negação, Raiva, Negociação, Depressão e Aceitação. Cada fase apresenta suas dificuldades e oportunidades para o doente e seus familiares e cuidadores. Mas a questão da morte extrapola o evento em si. Há muitas questões a serem respondidas, por exemplo: como as sociedades (no nosso caso específico, as religiões) encaram as centenas de milhares de pessoas moribundas? De que maneira lidam com os cadáveres? Que apoio é prestado aos familiares enlutados? Que crenças existem sobre as perspectivas para os mortos? As respostas que as diversas religiões dão a estas perguntas, e muitas vezes a falta delas, podem tanto trazer um refrigério ao coração por resgatar a sensação de ter cumprido seu propósito na vida quanto podem trazer problemas emocionais para as pessoas que alcançam esse estágio de suas vidas.

    REFERÊNCIAS

    GIDDENS, A. Sociologia. 6ª. ed. Porto Alegre: Penso, 2012.

    KUBLER-ROSS, E. Sobre a morte e o morrer: o que os doentes têm para ensinar a médicos, enfermeiros, religiosos e aos seus próprios parentes. 7ª. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

  2. Luan Nascimento disse:

    Esse é o grande dilema do sentido da vida: viver e morrer. A religião é aquilo que busca o sentido de como encararmos a morte, ou não. É visível como esse olhar se diferencia não só de uma religião para outra, mas também de cultura para cultura; contexto para contexto. Eis aí um leque de possibilidades e questionamentos de como passar a experiência da morte para o campo de um sentido maior; algo que está para além de nossas condições limitadas, que é preciso relacionar os princípios e propósitos de cada religião, cultura e contexto. A morte traz consigo sempre uma discussão infindável de como lhe dar com ela mesma.

  3. Ariane Machado disse:

    É interessante perceber as diferentes percepções da morte para as diversas religiões, mas em comum, a morte é sempre importante, seja para festa, como para alguns índios, para a passagem para uma nova oportunidade de vida, como creem as religiões reencarnacionistas, e ainda o fim das oportunidades para a nova vida para a eternidade. E por findar as oportunidades, o cristianismo, representado pelo pastor Eliel, fala para aproveitar o hoje, afim de fazer as escolher de fé que lhe levará ao céu. Destaca-se ainda na fala do pastor Eliel, o sentido de eternidade, eternidade essa que não precisa esperar pela morte, mas que já está estabelecida.

  4. Emanuel Passos de Jesus disse:

    A morte através do olhar das diversas religiões, na sua grande maioria aqueles que morrem irão para um lugar bom pelo que fizeram em vida outras não vão acreditar na vida após a morte, somente viver e morrer e outras religiões creem na reencarnação. Confesso que não tinha essa percepção sobre esse tema na visão de outra religião e foi muito bom conhecer essas visões.

  5. Marcio dos Santos Reis disse:

    O vídeo traz a temática da morte do ponto de vista religioso, reúne elementos que as principais religiões comungam e as principais diferenças entre elas no ponto de vista do que é a morte, e qual o objetivo dela. O primeiro ponto que surge é a relação entre a vida e a morte, e se de fato existe algo similar à vida após a morte. Outros pontos apontam para uma morte como elemento transformador desta vida em algo muito melhor, ou ainda no pensamento de viver esta vida sem se preocupar com o que vem após ela. Uma religião pode pensar a morte como um ritual de passagem, ou uma interrupção definitiva ou momentânea da vida, como se de fato existíssemos para morrer. Essa dualidade entre vida e morte nos leva a refletir sobre o papel desse fato na vida de quem pratica uma religião. Para qual sentido a vida de uma pessoa caminha? Seria a vida uma prisão e a morte uma liberdade? O que as religiões mais pregam é a necessidade de apresentarmos um sentido para a vida, e, portanto sendo a morte um ponto a seguir ou ponto final, devemos pensar no caminho que nos leva até o momento que morremos, sendo uma passagem ou ponto final.

  6. O video retrata intensamente a questão da morte como forma natural da vida, até porque sabemos que seja a uma das única certeza da vida vvida é morte física, como fala – se por ai “A certeza da vida é a morte”. Só que, apesar de saber dessa certeza, nos apegasmos muito na questão do corpo, da parte física da coisa. Sofremos muito quando perdemos alguém, principalmente quando da família, um dos fatores importante na questão da morte, é de não estarmos nunca preparados para tal, na verdade não aceitamos de maneira alguma e sabemos mais não aceitamos na maioria das vezes, que podemos muito com a propria morte, buscando de fato vários sentido para vida e uma em Cristo Jesus, que venceu a própria morte, dando-nos suporte suficiente para superar, melhor dizendo, vencer a dor do medo, da tristeza e da perda.

  7. Antônia de Jesus Andrade Ferreira disse:

    O assunto do vídeo ,a morte é um mistério que tem intrigado toda a humanidade no vídeo ela é retratada como um senso comum entre as religiões,onde cada um tem sua própria concepção de como cada pessoa passa pela morte.

  8. Uelington Sousa Rocha disse:

    O vídeo aborda as representações da morte. De maneira geral, as religiões entendem a morte como uma travessia para um mundo superior. A morte é o fim de todos os seres vivos, mas não o fim da vida espiritual. Essa finitude reafirma a nossa transitoriedade. O corpo também é transitório. Para os espiritualistas, a alma pode habitar outros corpos, entretanto, para o cristianismo há apenas uma morte física. Na concepção cristã, o corpo deve ser sepultado e o luto vivido, entretanto, a recomendação bíblica é que não sejamos ignorantes, que os morreram já dormem no Senhor e serão ressuscitados com um novo corpo espiritual no momento do Senhor.

  9. Vitor de Oliveira Santos disse:

    A morte é, e continua sendo um grande mistério que gira em torno do homem. No vídeo acima a morte é posta como um senso comum entre as religiões, onde cada uma delas tem seu pensamento e concepção de como enfrentam/encaram ela(morte). Algumas religiões afirmam que a morte é quem da sentido a vida, já outras, é apenas uma passagem a outros tipos de mundo. O fato é, todos nós passaremos por ela e caminhamos em sua direção. Jesus nos ensinou a respeito de uma fé que você viverá(eternamente) após a morte, e dentre os ensinamentos do Mestre, eu preciso entender que minhas decisões, atitudes e o que precisa ser feito, tem que ser agora, no hoje, enquanto à vida no presente, isso nos leva a compreender que devo viver o hoje de maneira digna que agrade ao Senhor e aos outros.

  10. Geovanni fernando disse:

    perguntas em tordo da mortes move o mundo, “pois a final não é as resposta que movê o mundo mas sim as perguntas.
    O vídeo coloca a morte como sendo algo do senso comum, e sim ela é, e ainda mais atribuição a criação das religiões como forma ou meio de satisfazer as necessidades de individos como um alivio as faltas de respostas e ao medo a morte,atribui a algumas pessoas a ideia de não aceitar a morte e por esse feito buscar nas religião uma possível eternidade,sendo reencarnado ou vivendo em cidades sobre-humanas.
    O fato é que cada religião desse vídeo apresentou a morte segundo sua concepção, para alguns em sua maioria a morte e o instrumento pelo qual os individuos são levas ao momento transitória de estado material pra o plano espiritual, outros como o espiritualista diz que conheceu o ambiente espiritual a pós a seu diagnostico de cancer, e mesmo assim diz não temer a morte
    No outro extremo temos os povos indígenas que vivem na expectativa da morte pois eles atrelam á morte muito mais valor valor do que a propiá vida,proporcionando de rituas macabros ao olhos dos homem brancos, onde índios comem a carne de seus rivais, dizem que o espirito da quele que a sacrificado fica feliz de estar passando por esse ritual,dai vemos as facetas da morte como os individuos
    esperando esse dias que certamente chegaram pra todos seja na juventude ou na velhice. Para outros a morte é apenas uma torca de roupa ,dando sensação de não valorizas os seus entes querido e assumir que tal individuo que morreu possui um legado, já para o grupo cristã ele fala algo muito interresados e de extrema valia é que a morte conduz a vida, e sobre a eternidade abordam que os individuos são sempre eternos de muito tempo atras,
    pois defente que tudo que é eterno não tem principio não tem criação, e que eternidade se trata de uma grande linha da vida onde varias outras linhas se encontram

Leave a Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *